Wiki Bíblia
Advertisement

"Esta é a gênese dos céus e da terra foram criados, quando o SENHOR Deus os criou."
— Gênesis 2:5

Gênesis 2 é o segundo capítulo do Livro de Gênesis.

Sinopse[]

Nesse capítulo, os últimos dias de criação são explanados com mais detalhes. Além de ter revelado que Deus descansou no sétimo dia (Sábado) para nos dar exemplo, ele também revela como Deus criou o Jardim do Éden para ser a morada do ser humano. Do pó da terra, com o máximo de cuidado e carinho possíveis, Deus criou o ser humano à Sua imagem e semelhança, criando o primeiro homem, chamado Adão. Adão, nascido perfeito e sem pecado, ficou designado para nomear a todos os animais, cuidar deles e cuidar do Éden e de toda a terra como o governante desta. Após nomear todos os animais, Deus fez com que Adão dormisse, e enquanto ele dormia, Deus tirou dele uma costela e fez a primeira mulher: Eva. Assim, Deus criou o casamento, a instituição da família e os padrões a serem seguidos.

No Sábado, Sétimo Dia da criação, Deus descansou e ordenou que todas as suas criaturas também descansassem também, e assim Adão e Eva descansaram e viveram em um mundo perfeito, sem dor, sem tristeza, sem morte e nem pecado. Ali, eles viveram em conformidade com Deus, com os animais, com a natureza e com as ordens celestes. Eles poderiam fazer tudo o que quisessem, exceto comer do fruto da Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

Dias da Criação Revelados[]

Terceiro Dia = Criou o Jardim do Éden, a Arvore da Vida e a Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal (v. 8-9)

Sexto dia = Criou todos os animais (Além das aves e peixes), criou Adão e criou Eva, instituindo o casamento e a família humanos (v. 7,18-25)

Sétimo dia = Descansou de toda a Sua obra e ordenou-o para ser um sagrado dia de descanso semanal para todos os Seus servos (v. 1-3)

Analise do Capítulo (Versículo por versículo)[]

1 Exército. A palavra “exército”, tsaba, denota todas as coisas criadas.

2 Descansou. O verbo “descansou”, shabath, significa, literalmente, “cessar”um trabalho ou atividade (ver Gn 8:22; Jó 32:1; etc.). … Deus não descansou porque precisa disso (ver Is 40:28). O descanso de Deus não foi resultado nem de exaustão nem de fadiga, mas de uma cessação de Sua ocupação prévia.

3 E abençoou Deus o dia sétimo. A bênção sobre o dia sétimo subentendia que, dessa forma, ele era declarado objeto especial do favor divino e um dia que traria bênçãos a Suas criaturas.

E o santificou. O ato de santificação consistiu numa declaração de que o dia foi santo, ou separado para propósitos santos. … O sábado semanal do sétimo dia tem sido frequentemente considerado uma instituição para a dispensação judaica, mas o relato inspirado declara que ele foi instituído mais de dois mil anos antes do nascimento do primeiro israelita (um descendente de Jacó, ou Israel). Há, além disso, a palavra do próprio Jesus, ao declarar: “O sábado foi feito por causa do homem”(Mc 2:27), indicando claramente que esta instituição não foi estabelecida apenas para os judeus, mas para toda a humanidade.

Porque nele descansou. Deus não poderia ter razão mais elevada para ordenar o descanso no sétimo dia do que o fato de que, ao assim fazê-lo, o homem pudesse desfrutar a oportunidade de refletir sobre o amor e bondade de seu Criador, e tornar-se semelhante a Ele. … O sábado requer a abstenção do trabalho físico comum e a devoção da mente e do coração às coisas santas. … Os evangelhos atestam que ele foi usado dessa forma por cristo e pelos apóstolos (Lc 4:16; At 17:2; 18:4) e que deveria continuar a ser observado pelos cristãos após a conclusão do ministério terrestre de Cristo (Mt 24:20). O fato de que o sábado continuará a ser celebrado na nova Terra como dia de adoração (Is 66:23) é uma clara indicação de que Deus nunca planejou ter sua observância transferida para outro dia. … A rejeição do sábado é uma rejeição ao Criador e abre as portas para todo tipo de falsas teorias.

4 Esta é a gênese. A palavra “gênese”,toledoth, é geralmente usada em referência à história familiar de uma pessoa, isto é, ao nascimento de seus filhos (ver Gn 5:1; 6:9; 11:10; etc.). … Um comentarista sugere que “gênese” se refere adequadamente à “história ou relato de sua produção”.

5 Nenhuma planta. Os v. 4-6 antecipam a criação do homem (v. 7), ao descrever brevemente a aparência da superfície, particularmente com respeito à vegetação, pouco antes do momento em que ele foi trazido à existência no sexto dia da semana da criação. Ali estava o paraíso perfeito, onde só faltava alguém “para lavrar o solo”.

6 Uma neblina. Podemos pensar em “neblina” como sinônimo de “orvalho”. O fato de as pessoas to tempo de Noé zombarem da ideia de que chuva vinda do céu pudesse trazer destruição à Terra, no dilúvio, e de Noé ser elogiado por crer em “acontecimentos que ainda não se viam” (Hb 11:7) indica que a chuva era desconhecida para os antediluvianos.

7 Do pó da terra. O fato de o homem ser composto por materiais derivados do solo, elementos da terra, é confirmado pela ciência. A decomposição do corpo humano após a morte dá testemunho disso.

O fôlego de vida. “Fôlego”, neshamah. Vindo da Fonte de toda a Vida, o princípio vital entrou no corpo inanimado de Adão. É dito que o meio pelo qual a centelha da vida foi transferida para seu corpo foi o “sopro”de Deus. … Ao ser comunicado ao homem, o “fôlego” é equivalente à sua vida; é a própria vida em si Is 2:22).

Alma vivente. Quando o divino “fôlego”(neshamah) de vida foi infundido na escultura inanimada do homem, este se tornou uma “alma”(nefesh) vivente. … Note que a nefesh é feita por Deus (Jr 38:16), pode morrer (Jz 16:30), ser morta (Nm 31:19), ser devorada (metaforicamente, Ez 22:25), ser resgatada (Sl 34:22) e ser refrigerada (Sl 19:7). Nada disso se aplica ao esírito, ruah, o que indica claramente a grande diferença entre os dois termos. É óbvio, diante disso, que a tradução “alma” para a palavra nefesh em Gn 2:7 não é apropriada, especialmente quando se tem em vista a expressão comumente usada “alma imortal”. Embora popular, esse conceito é alheio à Bíblia. A passagem pode corretamente ser traduzida da seguinte forma: “O homem se tornou um ser vivente”(NVI). Quando “alma” é considerada sinônimo de “ser”, alcança-se o significado bíblico de nefesh presente nesta passagem.

8 E plantou o Senhor Deus um jardim. A localização do Éden é desconhecida. O dilúvio alterou de tal forma as características físicas da terra, que se tornou impossível a identificação atual de locais existentes antes dessa catástrofe.

9 Árvore do conhecimento do bem e do mal. O artigo definido “o” antes da palavra “conhecimento” significa que a árvore não podia fornecer todo e qualquer tipo de conhecimento, mas apenas certo tipo: o triste conhecimento do “mal”, em contraste com o “bem”.

10 Um rio. Muitos eruditos têm feito grande esforço em tentar esclarecer os v. 10-14, mas, provavelmente, nunca seja encontrada uma explicação satisfatória , porque a superfície da Terra após o dilúvio tem pouca semelhança com o que era antes. Uma catástrofe de tal magnitude capaz de fazer surgir elevadas cadeias de montanhas e formar vastas áreas oceânicas dificilmente teria deixado intactos acidentes geográficos menores como rios. Portanto, não se pode ter esperanças de identificar locais antediluvianos pelos acidentes geográficos atuais da Terra, a menos que a inspiração o faça para nós.

11 Pisom. O nome do primeiro rio, Pisom, é desconhecido em qualquer fonte extrabíblica, e mesmo na própria Bíblia esse nome não é mencionado em nenhuma outra parte. As opiniões dos eruditos que identificam esse rio com o Indo ou o Ganges na Índia, com o Nilo no Egito, ou com rios da Anatólia, são infundadas.

17 Da árvore do conhecimento do bem e do mal. É fútil especular sobre que tipo de fruto essa árvore produzia, uma vez que isso não foi revelado. A própria presença dessa árvore no jardim revelava que o homem era um agente moral livre. O serviço do homem não era forçado; ele podia obedecer ou desobedecer. A decisão era dele.

No dia em que dela comeres. O pronunciamento divino “No dia em que dela comeres, certamente morrerás”, ou, literalmente, “morrendo, morrerás”, significa que no dia da transgressão a sentença seria pronunciada. O homem passaria do status de imortalidade condicional para o de mortalidade incondicional. … a separação da fonte da vida só podia trazer, inevitavelmente, a morte. Os mesmos princípios ainda são válidos. A punição e a morte são resultados certos da livre escolha, por parte do homem, de se colocar em rebelião contra Deus.

18 Uma auxiliadora que lhe seja idônea. Isto é, apropriada a suas necessidades; para complementá-lo.

19 Todos os animais do campo. Moisés está registrando não o momento, mas simplesmente o fato da criação dos animais.

Trouxe-os ao homem. Adão devia estudar esses animais e se envolver na importante tarefa de lhes dar nomes apropriados, exercício este que requeria compreensão dos mesmos e de seus hábitos. Isso o qualificaria ou, talvez, demonstraria que ele estava qualificado para governá-los. Ao mesmo tempo, ele perceberia a via familiar que desfrutavam e, assim, sua própria falta de uma companhia. Reconhecendo também que Deus o havia criado infinitamente mais elevado que os animais, perceberia que não era possível escolher essa companhia entre eles. Para que a formação da mulher preenchesse totalmente o propósito do Criador, Adão precisava sentir sua própria incompletude e sua necessidade de companhia – em outras palavras, que não era bom que ele permanecesse só.

20 Não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea.O estudo que Adão fez da criação animal lhe proporcionou considerável conhecimento, mas não satisfez seu anseio pela companhia de outro ser que fosse igual a ele. Este fato indica a participação igual que a mulher devia desfrutar com o homem.

22 Transformou-a numa mulher. A costela de Adão constituiu o material básico do qual sua companheira foi “construída”. A mulher foi formada para ter uma unidade inseparável e um companheirismo por toda a vida com o homem, e o modo de sua criação devia lançar o alicerce para a ordenança moral do matrimônio. … O matrimônio é um tipo [símbolo] do companheirismo de amor e vida que existe entre o Senhor e Sua igreja (Ef 5:31, 32).

E lha trouxe. O próprio Deus solenizou o primeiro casamento. Após criar a mulher, Ele a levou até Adão, que, àquela altura, já devia ter despertado de seu profundo sono. Como Adão era o “filho de Deus”(Lc 3:38), assim Eva podia ser, com propriedade, chamada de a filha de Deus; e como seu Pai, Deus a levou a Adão e a apresentou a ele.

23 Esta, afinal, é osso dos meus ossos.Adão, reconhecendo nela a companheira desejada, recebeu-a alegremente como noiva e expressou sua alegria numa exclamação poética. As palavras “esta, afinal” refletem sua agradável surpresa quando viu na mulher a realização do desejo de seu coração. O fato de ele ter repetido três vezes o pronome “esta”(no hebraico), aponta vividamente para aquela sobre quem, com feliz assombro, seus olhos então repousam com a intensa emoção do primeiro amor. … Elea devia amar daí em diante como a seu próprio corpo, pois, amando-a, estaria amando a si mesmo. O apóstolo Paulo enfatiza essa verdade (Ef 5:28).

Chamar-se-á varoa.O nome que Adão deu a sua recém-criada companheira refletia o modo como Deus a criara. A palavra heb. ’ishah, “mulher”, é formada pela palavra ’ish,“homem”, com a terminação feminina. A palavra inglesa “woman” (do anglo saxão wife-man) está relacionada à palavra “man”da mesma forma. O mesmo ocorre em várias línguas.

24 Deixa o homem pai e mãetornando-se os dois uma só carne. Estas palavras expressam a mais profunda unidade física e espiritual de um homem e de uma mulher, e exaltam a monogamia diante do mundo como a forma de casamento ordenada por Deus. Gênesis 2:24 não recomenda um abandono do dever filial e do respeito para com o pai e a mãe, mas se refere primariamente ao fato de que a esposa de um homem deve estar em primeiro lugar em suas afeições e de que seu primeiro dever é com ela. Seu amor a ela deve exceder, mas certamente não substituir, o apropriado amor aos pais.

Tornando-se uma só carne. A unidade entre marido e mulher é expressa em palavras inequívocas, pois existe entre ambos uma unidade de corpos, uma comunidade de interesses e uma reciprocidade de afeições. É significativo o fato de que Cristo usa exatamente esta passagem em Sua forte condenação ao divórcio (Mt 19:5).

25 Estavam nus. Adão e Eva não tinham necessidade nenhuma de roupas materiais, pois ao seu redor o Criador havia colocado um manto de luz, um manto simbólico de Seu próprio caráter justo, que era perfeitamente refletido neles. Quando a imagem moral do Criador novamente se refletir em Seus filhos e filhas terrenos, Ele voltará para reclamá-los como Seus (ver Ap 7:9; 19:8; PJ, 69, 310). Esse manto branco de inocência é a veste com a qual os salvos da Terra estarão trajados quando adentrarem os portões do paraíso.[1]

Trivia[]

  • Esse capítulo nos revela que antes do Dilúvio não havia chuva na terra, mas ela era regada com uma neblina ou orvalho. Isso nos revela um pouco mais do quão era desafiador Noé crer que haveria uma grande chuva, sem nunca tê-la visto. Naquele tempo não havia chuva. Portanto, também não havia o arco-íris, que é o resultado da chuva e que foi criado por Deus como um acordo entre Ele e Noé.
  • Muitos cristãos hoje afirmam que o Sábado foi criado somente para ser guardado pelos judeus, que ele foi abolido na cruz e que hoje não precisamos guarda-Lo porque estamos no tempo da Graça. Ora, meus amigos, nós somos salvos pela Graça, mas a fé sem obras é morta (Tiago 2:14). A própria Bíblia nos revela que o Sábado foi criado por Deus muito tempo antes do povo hebreu surgir, revela que o Sétimo Dia foi reservado para o descanso e repouso espiritual por Deus desde a criação do mundo, de modo que até Adão e Eva guardavam o Sábado, mesmo não sendo judeus. Esse mesmo Sábado que foi guardado por Deus e pela humanidade antes da queda é o quarto mandamento de Êxodo 20, no qual Deus o relembra e ordena que Ele seja guardado pelos Seus servos. Inclusive o Apóstolo Paulo referiu-se ao descanso de Deus feito no Sábado em Hebreus 4, indicando que a guarda do Sábado ainda é válida até os dias de hoje e apoiada pela Bíblia. Apesar de que todas as religiões e igrejas devem serem respeitadas, não existe nenhum texto bíblico que fale explicitamente que o Sábado não deva ser mais guardado, assim como também não existe nenhum texto bíblico que apoie a guarda do Domingo.
  • O termo alma, no original, significa: "Ser vivente". É interessante que no relato da criação de Adão é dito que ele "se tornou uma alma vivente" e não que ele tenha uma alma vivente. Isso porque alma, na Bíblia, não significa um espírito ou matéria espiritual separada do corpo, mas alma significa o próprio ser. Adão se tornou uma alma porque ele se tornou um ser vivente, não tendo qualquer espírito para desencarnar dentro dele ou qualquer coisa parecida. O conceito de que alma significa um espírito que sai de nossa carne com a nossa morte, quer seja para vagar, reencarnar ou receber juízo, surgiu com o filósofo grego Platão (Em sua ideia sobre o '' Mundo das Ideias ''), de modo que tal conceito de que nós temos uma alma não é teológico, mas filosófico. Segundo a Bíblia, assim como Adão era um ser vivente, nós somos seres viventes. Nós não temos uma alma, mas somos uma alma.
  • A existência do livre-arbítrio exercido pelas criaturas de Deus é deixada mais do que clara nesse capítulo, já que Deus proibiu Adão e Eva de comerem do fruto da Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal, mas Ele lhes deu a escolha se comeriam ou não. Se Deus não lhes desse tal liberdade de escolha, eles não o serviriam por amor e por livre e espontânea vontade, mas por estarem sendo controlado pelo Criador. Deus é amor e deseja que o sirvamos por amor, não obrigação.
  • No centro do Jardim do Éden existia a Arvore da Vida. A Arvore da Vida existiu durante milênios, até que deixou de existir junto com todo o Éden com o Dilúvio. Contudo, Apocalipse 2:7 promete que os cristãos da Igreja de Éfeso que vencerem poderão comer de seu fruto. Não somente isso, mas Apocalipse 22 mostra a Arvore da Vida ressurgida e restaurada como no princípio. Não mais no centro do Éden, mas na Nova Terra, na Nova Jerusalém na qual nós, os santos de Deus, iremos habitar.[2]
  • Nesse capítulo, Deus criou o primeiro casamento. A união de marido e mulher como uma só carne é referenciada por Jesus Cristo e pelo Apóstolo Paulo por diversas vezes, quando eles tratavam a respeito de questões sobre o casamento em si e o divórcio. Isso nos mostra que a família é uma instituição sagrada, criada pelo próprio Deus e que deve ser mantida.
  • Deus ordenou que o ser humano "Seja fecundo" e tenha muitos filhos. Isso nos mostra que mesmo antes do pecado entrar na terra, antes da Queda, Adão e Eva faziam sexo como marido e mulher. Muitos cristãos hoje veem o sexo como algo impuro, sujo, pecaminoso e errado. O sexo é uma criação do próprio Deus, é da vontade de Deus que façamos sexo. Se queremos fazer sexo, fazemos bem, pois o sexo é uma benção prazerosa que Deus nos deu. Contudo, devemos fazer sexo conforme o que diz a Bíblia, conforme o modelo bíblico revelado por Deus para que não caíamos em pecado ou sejam prejudicados.
  • A criação de Adão e Eva é completamente diferente da de todos os demais animais. Isso porque Deus, além de tê-los criado à Sua imagem e semelhança, também criou Adão como muito carinho ao molda-lo do pó da terra e também criou Eva com carinho da costela de Adão. Em contraste com eles, Deus não criou nenhum outro animal nessa terra com racionalidade, com sabedoria e raciocínio. Além disso, Deus os criou do nada, de repente com o Seu grandioso poder, sem ter usado de nenhuma outra matéria prima especial para cria-los e nem para criar os anjos ou qualquer outra criatura do universo, tal qual como Ele fez com o ser humano.

Fontes e Referências[]

  1. CBASD - Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 202-211
  2. Apocalipse 22:2
Advertisement