Wiki Bíblia
Advertisement
"E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado."
— Moisés, Genesis 2:8

O Jardim do Éden era um jardim ou paraíso criado pelo próprio Deus no início das eras, sendo conhecido por ser a morada da raça humana enquanto pura e por haver lá 4 rios muito prósperos, muito ouro, muita fertilidade. Além do mais, lá havia a Arvore da Vida, bem como a Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Após pecar, Adão e Eva foram expulsos do Éden e nenhum ser humano jamais foi autorizado a entrar lá novamente. O lugar ficou guardado por querubins com espadas flamejantes e habitado pelos animais da terra, até que ele foi evacuado uma semana antes do dilúvio e foi destruído através do próprio dilúvio.

História[]

O Jardim do Éden foi criado por Deus no Mundo Antediluviano. Deus o criou perfeito, no Oriente do mundo, e lá foi a morada oficial de Adão, Eva e de muitos animais. O Éden foi a morada da humanidade por anos, até a queda desta no pecado. Quando o ser humano caiu em pecado, para que o ser humano não coma do fruto da Arvore da Vida e se tornem eternos pecadores, condenados à morte eterna sem possibilidade mais de misericórdia, Deus teve que expulsar o primeiro casal do Éden e enviou anjos para ficarem de guarda, com suas espadas flamejantes, no local.

Assim, o Éden ficou vigiados por aqueles querubins gloriosos com aquelas espadas flamejantes imensas e brilhosas durante séculos, vigiando constantemente dia e de noite sem descansar para evitar que qualquer ser humano entre ali e perca sua salvação. O Éden era visível para todos os humanos ante-diluvianos e era um prova autêntica não somente que o relato e as histórias de Adão eram verdadeiras, bem como era um prova incontestável da existência de Deus. No Mundo Antediluviano não havia ceticismo, todos os seres humanos criam e reconheciam que o Deus Criador existia. Contudo, a maioria não seguia Sua Lei e nem cria que Ele estava cuidando da humanidade na atualidade.

O Éden permaneceu de pé como um memorial e evidência mais do que clara da criação e do relato primário do Genesis até 2238 A.C, quando o mundo foi destruído por um imenso Dilúvio profetizado por Noé e revelado por Deus. Com a destruição do Mundo, o Éden também foi destruído para sempre, até os dias de hoje.

Etimologia[]

O nome deriva do acadiano edinnu, que vem da palavra suméria edin, que significa "planície" ou "estepe" e está intimamente relacionada a uma palavra de raiz aramaica que significa "frutífera e bem regada".

Descrição[]

Gênesis 2 fornece uma descrição clara do Éden. Ele o descreve como um belo jardim plantado por Deus, com toda a sorte de frutas, arvore frutífera e boas para alimento. Naquele tempo, por conta de não haver ainda pecado na terra, o Éden não tinha arvores com frutas venenosas, nem flores com espinhos e nem sequer drogas que fazem mal para nosso organismo, como maconha e café (Este existiam, mas não eram viciantes e nem faziam mal). No centro do jardim, havia a Arvore da Vida e também a Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

Havia um enorme rio que servia para regar o Éden, e este se dividia em 4 braços: Pisom, Giom Tigre e Eufrates. Este, o Pisom, entrava em contato direto com a Terra de Hávila, muito rica em ouro da melhor qualidade, bdêlio e pedra de ônix. Aquele era um lugar perfeito, primitivo, nem muito calor e nem muito frio. Clima possivelmente tropical, com solo extremamente fértil, sem chuva e nem desastres naturais. Ao invés de chover, havia uma neblina que regava a terra e as arvores do Éden. Nele, viviam não somente Adão e Eva, mas também praticamente todas as espécies de animais da terra, criadas por Deus para estar ali.

Antes da queda do homem, as plantas eram eternas. A natureza era bela e forte, ao ponto de nenhuma flor ser possível de se arrancar do chão e nenhuma folha de arvore cair. Após a queda do homem, a fauna de todo o planeta, incluindo a do Éden, se tornou mortal e as folhas passaram a cair normalmente, assim como as flores poderiam serem arrancadas do solo. O primeiro casal foi expulso do Éden e o jardim passou a ser vigiado, mas continuou sendo habitado pelos animais e continuou muito frutífero e belo. É possível que algumas espécies tenham evacuado deste para entrar na Arca antes do Dilúvio e de sua iminente destruição

Habitantes[]

  • Adão (Expulso)
  • Eva (Expulsa)
  • Serpente
  • Milhares de espécies de animais diferentes
  • Querubins (Guardas)

Curiosidades:[]

  • O Jardim do Éden foi criado pelo próprio Deus para o ser humano. Lá não havia morte, e consequentemente, não havia predação. Por ser um jardim muito fértil e frutífero, este era o local perfeito para o homem e os animais da terra viverem. Já que se não havia predação, logo não haviam animais carnívoros. Se os animais não eram carnívoros, logo eles eram herbívoros e só comiam frutas. Tornando o Éden uma fonte inegotável de comida para o ser humano e para os animais.
  • Isso nos mostra que o ser humano comia comida (Frutas) antes de sua queda. É interessante notar que mesmo comendo, a raça humana era imortal e não existia fome. Então é evidente que o ser humano antes da queda não se alimentava para não passar fome ou para não morrer, sofrer ou perder as energias como nós atualmente fazemos. O primeiro casal não tinha fome e nem era dependente de alimento para sua sobrevivência como somos hoje, mas eles mesmo assim se alimentavam por prazer e por gostarem do gosto e dos nutrientes das frutas que Deus criou para eles se alimentarem.
  • A localização do Éden é desconhecida. Por mais que tenham rios conhecidos nele, ele se localizava no Oriente da terra onde ainda existia a Pangeia, com todos os continentes existindo como um. A Pangeia foi dividida quando ocorreu o Dilúvio, mesmo evento que marcou a destruição total do Jardim Divino.
  • No Mundo Antediluviano, o Jardim do Éden era uma prova clara da existência de Deus. De modo que naquele tempo não existia ceticismo e nem ateísmo. Era uma prova visível, irrefutável, clara, geográfica e histórica da veracidade do relato de Adão.
  • O nome do Jardim, Éden, é um nome acadiano, escolhido ou por Deus ou por Adão. Isso é uma possível evidência de que a língua acadiana tenha sido a língua original do mundo antes da divisão de línguas causada pela Torre de Babel, levando em conta que ela se originou em um país que falava acadiano e também por que o Éden, que era uma instituição e local anterior a tal evento, tinha um nome provindo dessa língua.
  • No Éden estava localizada a Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal no centro do Jardim. Seu fruto era belo, mas Deus proibiu o primeiro casal de consumi-la. A Serpente, possuída pelo Diabo, convenceu Eva a comer desse fruto e foi através da desobediência a esta ordem que o primeiro casal caiu em pecado.
  • Deus permitiu que aquela arvore exista e que o ser humano possa comer ela ou não para que eles possam exercer o livre-arbítrio. Deus não quer um amor forçado, Ele quer um amor voluntário. Deus não quer obediência forçada, Ele quer uma obediência voluntária. Por isso Ele colocou aquela arvore lá e proibiu o homem de comer o seu fruto: Para dar-lhes liberdade para decidirem realmente se iriam obedecer ou não. Para dar-lhes a opção de fazer o bem e de fazer o mal também. Senão, a humanidade não seria verdadeiramente livre e o seu amor à Deus não seria verdadeiramente real.
  • Deus também plantou no Éden a Arvore da Vida. Ela era consumida normalmente por Adão e Eva antes do pecado. Ela produzia 12 frutos, um a cada mês. E quem comia de seu fruto nunca ficava doente e permanecia imortal. Apesar disso, para o ser corrompido pelo pecado o efeito era outro: A criatura não se tornava imortal, mas os efeitos de seu pecado sim. Logo, se o ser humano, que é pecado e tem esperanças de ter seu pecado eliminado através do sacrifício de Jesus, tivesse o seu pecado tornado eterno, não haveriam mais esperanças de redenção para ele. Ou seja: Ao invés de conseguir a imortalidade terrena e driblar a morte e os efeitos do pecado, o ser humano se autocondenaria a morte eterna e não teria qualquer esperança de ressurreição ou de vida vindoura depois disso.
  • Por amor à humanidade foi que Deus expulsou Adão e Eva do Paraíso. Justamente para que eles não comam do Fruto da Arvore da Vida e se tornem eternos pecadores. Bem como colocou querubins de guarda lá, para guardarem o Jardim e evitar que qualquer descendente seu adentre lá dentro. Foi por isso que Deus lançou o Dilúvio e destruiu todo o Éden também: Para que a descendência de Adão não resolva se juntar para invadir o Éden e lutar numa batalha na qual a derrota é óbvia contra os querubins para alcançar a Arvore da Vida e comerem de seus frutos na esperança de se tornarem imortais.
  • A Arvore da Vida foi destruída com o Dilúvio. No entanto, Apocalipse 22 a descreve existindo em meio a Nova Jerusalém assim como no princípio e os remidos em Cristo terão oportunidade de comer de seu fruto, nunca ficar doente e se tornarem na segunda vida em seres verdadeiramente imortais.
Advertisement